A Expressão Transmontana em Trusses.

Palavras começadas por “B” que ouvimos em Trás-Os-Montes

6 PALAVRAS B

Camaradas, depois do nosso artigo 6 Palavras começadas por “A” que ouvimos em Trás-Os-Montes, venho trazer-vos o segundo lote de palavras. Usando a ordem alfabética – ainda me lembro de aprender as primeiras letras na modesta escolinha primária, onde nos intervalos do inverno íamos arrumar a lenha, e depois ficávamos com farpas dos cavacos nas mãos, mas a canalha já estava habituada a andar toda esmoucada. Bem, voltando ao que estava a dizer, esta nossa sequência de artigos sobre palavras, segue a ordem alfabética. Portanto, vamos à letra B.

BIQUEIRA
Faz parte da construção de uma pessoa ser biqueira. O contrário é aceitar tudo de bom agrado sem ouvir a mãe e as tias a dizer “esta rapariga/rapaz não come nada, não tem cu para as calças”.
Ser biqueiro é colocar parte da comida na borda do prato porque não é coisa para o seu dente. É não comer parte do bife porque tem nervos.

BOTAR CORPO

É usual ouvirmos isto em tom de gozo, principalmente a quem já tem um lombo bem largo. Mas como os transmontanos só são felizes a comer, botar corpo não é problema – que é o mesmo que dizer “estás a crescer”.



Nas nossas cabeças transmontanas faz todo o sentido dizer, por exemplo “Ah, tu queres ir à segurança social às 9 e estar despachado às 9:30? Bô!”
Entenderam?
É como dizer “isso é que era bom”, ou como coloquei na imagem “isso é que era do belo” (ouço isto desde pequena, nem sei se é assim que se escreve).

BENTAS

Seria ventas mas ninguém diz assim, portanto, não vou escrever o que não é. Vou lançar várias frases que incluem a palavra:
“Veio cá encher as bentas e nem deu uma mão a arrumar as coisas”
“Aquele ontem armou-se em fino e levou nas bentas”
“Estás com umas bentas de quem precisa de um copo”. Um clássico: “fo*er as bentas”.
As bentas, claro está, são a cara.

BOTA CÁ

E como explicar? Em vez de dizermos “dá cá”, usamos o bota. Bota, vem se botar, vou seja “deitar”. Isto pode complicar um pouco quem não tem boca transmontana, mas
com treino as coisas vão lá.

BULHA

Bulha é uma palavra forte, robusta. Andar à bulha vale tudo: pontapés, murros, puxões de cabelos. Normalmente a bulha é proporcionada pela canalha ou pelos cães e gatos.
Quem nunca andou à bulha na escola, não teve infância transmontana.

BOABAIELA
Quando ouço esta expressão, imagino sempre uma mãe transmontana a mandar vir com fulano tal que anda sempre no fado. “Oh lá vai ele/ela “naboabaiela”. Escrevi tudo junto porque sempre imaginei isto tudo junto, desde que me lembro de ser gente. Nunca é bom sinal dizer “na boa vai ela” – num português mais compreensível. É como chamar “sandeiro” a alguém. É uma espécie de “rinchedo” para gente adulta.

Ficamos por aqui.
Aproveitem para dar uma vista de olhos às “Expressões das Mães Transmontanas“.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Playlist no Spotify

Ouve agora

Luísa Apancada
Avisos

Blog que acredita no COVID19

Para tua segurança e dos outros, por favor, usa máscara, camarada.